Backstage | Paulo Pinho
Backstage | Paulo Pinho

NOS Alive 2022: um regresso muito aguardado, mas com alguns contratempos

Quem é o festivaleiro que não deseja com ansiedade a mixórdia de bandas tão conhecida de todos os verões no Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras? O Nos Alive regressa com um cartaz promissor e com algumas novidades.

Imagem de perfil de Paulo Pinho
Paulo Pinho
Fotógrafo
Imagem de perfil de Sofia Felgueiras
Sofia Felgueiras
Jornalista
Quinta-feira, 7 de Julho de 2022, às 08:00

Jungle, Mallu Magalhães, The War on Drugs e a aguardada estreia de Stromae em Portugal. Um dia com todos os ingredientes para correr bem, até se saber do cancelamento de Clairo, por problemas com o transporte aéreo, e dos Glass Animals, que iriam atuar no segundo dia de festival.

Por comparação a anteriores edições, o recinto começou por se apresentar mais vazio e com menos energia nas primeiras horas. No entanto, Mallu Magalhães deu o pontapé de saída, no Palco NOS, para uma tarde onde o calor se fazia sentir e que já cheira a verão.

Com simpatia e empatia pelo público, acabou por partilhar a felicidade e agradecimento por fazer parte desta edição, por poder contar com a presença da sua filha e ainda por haver pessoas na plateia que não falavam nem compreendiam português, mas mesmo assim não deixavam de estar ali e vibrar ao ritmo da boa disposição. Afinal de contas, quem não gosta de um "Sambinha Bom"?

Ao falar com alguns fãs deste festival é fácil perceber que já não é apenas pelo cartaz que marcam presença, mas por toda a vibe e diversidade de atividades que há no recinto. Neste sentido, é justa a referência ao concerto de Cuca Roseta no Fado Café da EDP e o Palco Comédia com o Tio Jel.

Para Afonso Matos, de 29 anos, que se encontrava entre a multidão, o melhor público de festivais é o português, pois vibra, grita, sente desespero pela saudade deste tipo de atrações.

Passando para o Palco Heineken, destaque para os Lefty, com puro rock e quilos de atitude. Não é fácil ter-se a responsabilidade de abrir um festival e a banda conseguiu-o de forma exímia.

Sobre o concerto de Jungle, a opinião é geral: é uma boa banda para encerrar o final de tarde, a banda de feel good que pôs toda a gente a dançar com ou sem bebida na mão, que puxou pelo público e pela interação do mesmo, com sucessos como "Keep Moving" e "Casio".

Embora tenha ficado nas bocas do mundo por causa de FIFA para muitos, o grupo de electrónica inglês conquistou todos os que pelo Alive passaram e pararam para os ouvir. Aquela sensação de vibrar com o baixo, o bater do peito que sabe bem!

Sobre The Strokes as opiniões dividem-se totalmente. Se por um lado foram vários os fãs que saíram desiludidos e com a ideia de ter sido um dos piores concertos da história,  apesar de a banda já ser conhecida por não ter as melhores atuações ao vivo, houve, por outro, aqueles que não se limitam a exigências e ficam agradecidos pela nostalgia que foi levada a palco, uma sensação de estar confortável em casa.

Julian Casablancas apresentou-se pouco sóbrio e pediu desculpas por não serem os Queen, num concerto que contou com algumas paragens e até a queda do microfone. Para quem não levava as expectativas altas, "You Only Live Once" e "What Ever Happened" foram bons sons a aproveitar, enquanto a voz do vocalista não falhou, como aconteceu mais para o final.

A noite encerrou com a inacreditável atuação de Stromae que, para muitos, salvou o dia, e demonstrou tudo aquilo que um verdadeiro showman deve ser.

Não é apenas pelas roupas, nem pela cara bonita; é a vibe, a presença, os instrumentais e os esquemas que nos ensinam as suas míticas danças. Quem não vibrou ontem ao som de "Tout les Memes" e de "Papaoutai" claramente não esteve no mesmo festival que o resto.

Uma versatilidade única, do sóbrio ao agitado, que fizeram desta estreia um concerto icónico e a não ser esquecido, principalmente por criar uma opinião tão unânime entre todos.

As atenções já estão viradas para o segundo dia, com altas expectativas para Florence + the Machine e Alt-J e conta-se com um recinto mais cheio face à abertura.

Artigos relacionados
Política de Cookies
O nosso website utiliza cookies para identificar fluxo de tráfego e páginas mais visitadas por cada visitante, sem nunca guardar informação pessoal do utilizador. Esta informação ajuda-nos a perceber o que os nosso público-alvo procura e, com o conhecimento, ajudar-nos a melhorar o serviço que prestamos.