Publicidade
Imagem de apresentação de Doja Cat no Rock in Rio Lisboa: um espectáculo hipnótico
Doja Cat no Rock in Rio Lisboa / Paulo Pinho

Doja Cat no Rock in Rio Lisboa: um espectáculo hipnótico

Magnética e explosiva, Doja Cat encerrou o Rock in Rio Lisboa com um concerto memorável, ignorando grandes sucessos e focando-se em músicas mais recentes. A artista norte-americana trouxe sofisticação e simplicidade ao palco, deixando uma marca indelével no festival.

Imagem de perfil de Sofia Felgueiras
Sofia Felgueiras
Jornalista
Imagem de perfil de Paulo Pinho
Paulo Pinho
Fotógrafo
Segunda-feira, 24 de Junho de 2024, às 08:00

Doja Cat, a rapper e cantora norte-americana, encerrou a edição dos 20 anos do Rock in Rio Lisboa de forma inesquecível. A artista subiu ao palco Mundo no último dia do festival, realizado no Parque Tejo, e deu uma verdadeira lição de sofisticação e simplicidade. Ao longo de uma década, Doja Cat construiu uma imagem complexa, alternando entre a cultura pop e controvérsias online. Esta estreia em solo português destacou-se pela sua abordagem única e magnética.

Desde o início do concerto, Doja Cat exigiu a atenção do público com a desarmante "Aknowledge Me". Ignorando alguns dos seus maiores sucessos, como "Woman", "Kiss Me More" e "You Right", focou-se em músicas do álbum "Scarlet" e do mais recente "Scarlet 2 Claude". Ao longo de pouco mais de uma hora, misturou rap enérgico, twerk ondulado e os ambientes lustrosos de faixas como "Attention" e "97", ampliados magistralmente por uma banda exímia.

A sua atuação hipnótica e quase felina, com movimentos elegantes e jogos de anca, foi complementada por uma imagem de intelectual sexy. Doja Cat, com uma longa peruca loira e óculos de massa preta, desconstruiu essa imagem com um nariz a sangrar, deixando o público a tentar adivinhar o simbolismo por trás.

O concerto incluiu momentos como a sensual "Say So", de "Hot Pink", e as batidas envolventes de "Balut". Um dos pontos altos foi "Paint the Town Red", cantado a plenos pulmões pelo público. Sem grandes artifícios, a artista manteve a plateia presa na sua teia, culminando a atuação com "Streets", "Agora Hills" e a intensa "Wet Vagina", com direito a labaredas e um final explosivo.

Doja Cat trouxe um espetáculo que combinou surpresa e sofisticação, salvando uma edição do festival que também enfrenta as suas próprias dores de crescimento. A sua atuação deixou uma marca duradoura no público, comprovando o seu talento e carisma únicos.

Alinhamento completo do concerto:

ACKNOWLEDGE ME

Shutcho

WYM Freestyle

Demons

Tia Tamera

PISS

Gun

OKLOSER

Get Into It (Yuh)

Go Off

Say So

Attention

97

Balut

Need to Know

Streets

Agora Hills

Ain’t Shit

Rules

Paint the Town Red

Wet Vagina

Abrir e fechar defininições de cookies