Qua, 27 Nov às 12:22

Vampire Weekend regressam a Lisboa para fazer a festa e aquecer o Coliseu

Pela segunda vez este ano, os Vampire Weekend regressaram a Portugal. Depois de um primeiro concerto como cabeças de cartaz do festival NOS Alive 19’, a banda norte-americana regressou agora para um concerto em nome próprio no Coliseu dos Recreios, em Lisboa. Integrado na tour de lançamento do último álbum “Father of the Bride”, este foi precisamente o último concerto da tour em solo europeu.

E desengane-se quem pense que, por ser o segundo concerto da banda no espaço de alguns meses, iria haver uma menor afluência. Pelo contrário, o Coliseu encheu por completo para receber a jovem banda nova-iorquina. Tal como Ezra Koenig, vocalista e líder da banda, fez questão de frisar por diversas vezes ao longo do concerto, esta foi a primeira atuação em nome próprio no nosso país nos últimos nove anos. Talvez esse facto ajude a explicar a enchente que se verificou.

Quanto ao concerto, a primeira parte ficou a cargo dos dinamarqueses Liss. A banda, que desde 2015 tem lançado vários EPs e singles, aproveitou a sua primeira atuação em solo português para se dar a conhecer ao público que ia chegando ao longo dos 30 minutos de concerto.

Já com o Coliseu bem lotado, eram 21h30 quando os Vampire Weekend subiram ao palco. Com o lançamento do seu último álbum a banda pretendia chamar a atenção para alguns problemas globais, nomeadamente o das alterações climáticas no nosso planeta. O planeta Terra gigante colocado como objeto de fundo no palco, semelhante ao que está também na capa deste álbum, lembrava o público desses mesmos problemas e de que é preciso tomar medidas para mudar o rumo dos acontecimentos.

Ao longo de cerca de duas horas, os sete músicos presentes em palco percorreram temas de todos os álbuns da banda, com especial ênfase, naturalmente, para o mais recente “Father of the Bride”, que dá nome a esta tour. O tema “Step” levou ao primeiro grande momento da noite no Coliseu, mas foi com “Harmony Hall”, tema mais conhecido como “aquela música que passa na rádio”, que o público realmente despertou, tendo de seguida vibrado ao som de “Diane Young”, “Cousins” e “A-Punk”. “Jerusalem, New York, Berlin” foi o tema que encerrou a primeira parte do concerto.

Com o entusiasmo do público em alta o grupo regressou ao palco para um encore, desta vez em modo “disco pedidos”. O vocalista Ezra Koenig foi apontando aleatoriamente fãs da plateia para escolher o próximo tema do alinhamento, recaindo as escolhas primeiro em “Boston (Ladies of Cambridge)” e depois em “My Mistake”, com a banda a ir mais além convidando Giacomo, um jovem italiano que veio de Nápoles para assistir ao concerto, a subir ao palco para acompanhar a música ao piano. Para encerrar as escolhas do público, foi ainda escolhido o tema “The Kids Don’t Stand a Change”, tendo o concerto terminado pouco depois ao som de “Walcott”.

Os temas dos Vampire Weekend incorporam vários estilos e ao longo do concerto essas mudanças foram percetíveis, com o público a entrar numa espécie de carrossel enquanto a banda navegava pelo rock, pop, indie e, inclusivamente, country dos seus temas. Talvez essa seja a razão para a banda agradar a uma faixa etária tão abrangente. Foi curioso verificar a diversidade geracional de público presente nas bancadas. Com pouco mais de dez anos de carreira e quatro álbuns lançados, o indie rock dos Vampire Weekend parece agradar a miúdos e graúdos.

O concerto fez-se assim em sentido ascendente, com o entusiasmo a subir à medida que a plateia era contagiada pela alegria, dedicação e energia com que a banda atuava em cima do palco. E se por um lado passaram nove antes desde a última atuação em nome próprio, certamente não deverá passar tanto tempo até um novo regresso. Pelo menos a avaliar pelo clima de festa que se viveu ao longo das duas horas de concerto, naquele que foi o mais longo e, muito provavelmente, o melhor concerto dos Vampire Weekend em Portugal, irá com certeza haver um regresso. Ezra Koenig, sempre muito comunicativo ao longo do concerto, garantiu no final – não haveria melhor maneira de terminar a tour europeia do que com o público português que esteve presente no Coliseu dos Recreios. E numa noite de novembro tão fria a chuvosa, não haveria também melhor forma de aquecer o corpo e a alma daqueles que ali se deslocaram.

Galeria

Etiquetas

Publicidade

Agenda

06Dez

Bryan Adams

Lisboa

07Dez

Bryan Adams

Braga

08Dez

Hans Zimmer

Lisboa

12Dez

The National

Lisboa

1623Jan

Madonna

Lisboa

16Fev

Alcione

Lisboa

07Mar

The 1975

Lisboa

Publicidade

Artigos semelhantes

  • [CAPA-EXISTE] [/CAPA-EXISTE]
    [SECCAO-EXISTE]

    [SECCAO-NOME-SINGULAR]

    [/SECCAO-EXISTE]

    [NOME]

    [LISTA-INTERVENIENTES] [LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] por [/LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] [LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES], [/LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES] [LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [INTERVENIENTE-NOME] [/LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [/LISTA-INTERVENIENTES]