Publicidade

Agenda

21Abr

Party. Sleep. Repeat.

São João da Madeira

23Abr

Arcade Fire

Lisboa

24Abr

Adriana Calcanhotto

Porto

30Abr

Ben Harper & Charlie Musselwhite

Lisboa

11Mai

Sequin

Lisboa

12Mai

Niall Horan

Lisboa

13Mai

John Scofield

Porto

Publicidade

Sex, 17 Nov 2017 às 13:29

Popularidade de Alphaville perdura com banda e reportório renovados

A banda alemã Alphaville mostrou a sua popularidade num concerto novo, salpicado de êxitos antigos. O Campo Pequeno em Lisboa quase esgotou à passagem desta nova formação, a 16 de novembro.

Foram quase duas horas de concerto para apresentar as canções originais do novo álbum “Strange Attractor” e para relembrar os êxitos mais famosos. “We’re not the youngest anymore”, disse o vocalista dos Alphaville, Marian Gold. Admitem já não ser os mais novos, mas sabem que põem todos a mexer.

A energia, tanto da plateia como da banda, esteve presente desde o momento inicial, com a dança descontrolada do teclista Carsten Brocker ao entrar em palco, com a vinda do baterista, guitarrista e da baixista, e depois com a profundidade da voz de Marian Gold a envolver o Campo Pequeno, começando com a canção “Homeos”.

No meio das canções mais recentes, apareceu o primeiro “flashback” dessa antiga banda, ao recordar o êxito de 1984, “Big In Japan”. Já o convite de “Dance With Me”, de 1986, tornou-se irrecusável para grande parte do público, que era maioritariamente adulto.

O álbum “Strange Attractor”, de 2017, foi bem recebido. A contagiar o público com a batida, “Heartbreak City” não é um título que se possa aplicar a Lisboa, mesmo que os holofotes estivessem diretamente apontados para a plateia, com luzes intensas e intermitentes.

“Mother don’t go… Daddy come home”. Versos de John Lennon repetiam-se com a voz doce ou forçada de Marian Gold. As imagens de guerra provocavam inquietação, mas o silêncio mantinha-se, enquanto o vocalista cantava na postura militar de continência. “Around The Universe” passou uma mensagem muito forte.

“Nevermore” pretende ser o meio caminho entre o sonho e a realidade, disse o cantor. É o peso da consciência numa decisão entre o bem e o mal. “Sometimes we know it’s good to be bad”.

Os espetadores estiveram de pé durante a última meia hora do espetáculo, para reviver a euforia dos anos ’80 com “Sounds Like a Melody” e “Forever Young” e para aplaudir também as novas canções.

Ainda com canções animadas das décadas de '80, '90 e de 2010, Aplhaville deixaram o palco do Campo Pequeno depois de interpretar a nova canção “Beyond The Laughing Sky”.

Etiquetas

Artigos semelhantes

  • [CAPA-EXISTE] [/CAPA-EXISTE]
    [SECCAO-EXISTE]

    [SECCAO-NOME-SINGULAR]

    [/SECCAO-EXISTE]

    [NOME]

    [LISTA-INTERVENIENTES] [LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] por [/LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] [LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES], [/LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES] [LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [INTERVENIENTE-NOME] [/LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [/LISTA-INTERVENIENTES]