Publicidade

Agenda

23Ago

EDP Vilar de Mouros

Vilar de Mouros

24Ago

EDP Vilar de Mouros

Vilar de Mouros

25Ago

EDP Vilar de Mouros

Vilar de Mouros

11Set

Thirty Seconds To Mars

Braga

02Out

José González

Lisboa

25Out

Kurt Vile & The Violators

Lisboa

26Out

Kurt Vile & The Violators

Porto

Publicidade

Sex, 17 Nov 2017 às 13:29

Popularidade de Alphaville perdura com banda e reportório renovados

A banda alemã Alphaville mostrou a sua popularidade num concerto novo, salpicado de êxitos antigos. O Campo Pequeno em Lisboa quase esgotou à passagem desta nova formação, a 16 de novembro.

Foram quase duas horas de concerto para apresentar as canções originais do novo álbum “Strange Attractor” e para relembrar os êxitos mais famosos. “We’re not the youngest anymore”, disse o vocalista dos Alphaville, Marian Gold. Admitem já não ser os mais novos, mas sabem que põem todos a mexer.

A energia, tanto da plateia como da banda, esteve presente desde o momento inicial, com a dança descontrolada do teclista Carsten Brocker ao entrar em palco, com a vinda do baterista, guitarrista e da baixista, e depois com a profundidade da voz de Marian Gold a envolver o Campo Pequeno, começando com a canção “Homeos”.

No meio das canções mais recentes, apareceu o primeiro “flashback” dessa antiga banda, ao recordar o êxito de 1984, “Big In Japan”. Já o convite de “Dance With Me”, de 1986, tornou-se irrecusável para grande parte do público, que era maioritariamente adulto.

O álbum “Strange Attractor”, de 2017, foi bem recebido. A contagiar o público com a batida, “Heartbreak City” não é um título que se possa aplicar a Lisboa, mesmo que os holofotes estivessem diretamente apontados para a plateia, com luzes intensas e intermitentes.

“Mother don’t go… Daddy come home”. Versos de John Lennon repetiam-se com a voz doce ou forçada de Marian Gold. As imagens de guerra provocavam inquietação, mas o silêncio mantinha-se, enquanto o vocalista cantava na postura militar de continência. “Around The Universe” passou uma mensagem muito forte.

“Nevermore” pretende ser o meio caminho entre o sonho e a realidade, disse o cantor. É o peso da consciência numa decisão entre o bem e o mal. “Sometimes we know it’s good to be bad”.

Os espetadores estiveram de pé durante a última meia hora do espetáculo, para reviver a euforia dos anos ’80 com “Sounds Like a Melody” e “Forever Young” e para aplaudir também as novas canções.

Ainda com canções animadas das décadas de '80, '90 e de 2010, Aplhaville deixaram o palco do Campo Pequeno depois de interpretar a nova canção “Beyond The Laughing Sky”.

Galeria

Etiquetas

Artigos semelhantes

  • [CAPA-EXISTE] [/CAPA-EXISTE]
    [SECCAO-EXISTE]

    [SECCAO-NOME-SINGULAR]

    [/SECCAO-EXISTE]

    [NOME]

    [LISTA-INTERVENIENTES] [LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] por [/LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] [LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES], [/LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES] [LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [INTERVENIENTE-NOME] [/LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [/LISTA-INTERVENIENTES]