/ Backstage - Tiago Rufino
Sex, 21 Jun às 22:30

O regresso a “casa” de Eddie Vedder

Depois de ter marcado presença em Portugal em 2018 com os Pearl Jam, Eddie Vedder regressou esta quinta-feira, 20 de junho, à capital portuguesa, desta vez com o seu espetáculo a solo. Esta foi a terceira vez que o músico se apresentou em nome próprio no nosso país, depois de já ter marcado presença nos festivais MEO Sudoeste, em 2012, e Super Bock Super Rock, em 2014.

A primeira parte do espetáculo ficou a cargo do músico e compositor irlandês Glen Hansard que, depois da sua colaboração no álbum “Ukulele Songs” de Eddie Vedder, em 2011, tem mantido com este uma relação de amizade, apresentando-se regularmente na abertura dos seus espetáculos.

Com início às 20:30 e com as bancadas ainda a comporem-se, Glen Hansard entrou em palco com um tema acapella. A partir daí, sozinho em palco, o músico foi acompanhando as suas músicas ora com recurso à sua guitarra, ora com piano, num concerto que duraria cerca de 30 minutos. O músico fez ainda questão de agradecer ao público presente por ter vindo mais cedo para assistir ao seu concerto. Perante um músico que demonstra já uma grande maturidade artística, o público foi correspondendo com entusiasmo.

Um pouco mais tarde, às 21:45, e já com as bancadas da Altice Arena completamente lotadas, foi a vez de Eddie Vedder subir ao palco perante um público que se levantava pela primeira vez para o receber e aplaudir. Num espetáculo em que a plateia estava sentada, eram visíveis os pedidos na sala para que o público aproveitasse para viver o concerto e desligasse os telemóveis.

O palco, com vários candelabros e com o foco de luz ao centro, sobre Eddie Vedder, remetia o público para um ambiente intimista em que, por momentos, fazia esquecer a imensidão daquela sala.

O concerto deu início com o tema “Far Behind”, mas a primeira grande reação do público veio logo de seguida com “Just Breathe”. Depois foi altura de Eddie Vedder consultar os seus apontamentos e ler um texto em Português, onde relembrava que esta era já a 11ª vez que estava em Portugal, quarta nos últimos cinco anos.

O alinhamento foi depois intercalando músicas de Pearl Jam, do próprio Eddie Vedder e também alguns covers (como foi o caso de “Trouble” de Cat Stevens), sendo que as versões de Pearl Jam seriam as que provocariam uma reação mais eufórica por parte do público, como se verificou entretanto com “Wishlist”.

Houve depois “Satellite”, com Eddie Vedder a tocar o seu ukulele acompanhado pelo Red Limo String Quartet, e “Long Nights”, com Glan Hansard de volta ao palco para acompanhar o músico norte-americano - algo que iria acontecer várias vezes ao longo do concerto.

Antes do grande momento da noite, Eddie Vedder cumpriu o seu ritual e abriu a sua primeira garrafa de vinho, para de seguida apresentar “Black”, com o público a levantar-se de imediato aos primeiros acordes e a mostrar que Eddie Vedder é quase um sinónimo de Pearl Jam. A história repetiu-se pouco depois com “Better Man”, com o público a cantar novamente em uníssono.

Até final do concerto, destaque ainda para “Imagine”, cover de John Lennon, a funcionar como um apelo às causas humanitárias defendidas por Eddie Vedder, e ainda para temas como “Society” e “Hard Sun”.

Coincidência ou não, o concerto de Eddie Vedder realizou-se num feriado nacional, dia do corpo de Deus. E a verdade é que este foi recebido na Altice Arena quase como um deus pelo público presente. Sempre muito comunicativo ao longo do concerto, Eddie Vedder parecia que estava ali, tal como nós, para aproveitar aquele momento – ao longo de duas horas relembrou passagens anteriores por Portugal, partilhou copos de vinho e histórias pessoais com o público e ainda cantou os parabéns a uma pequena fã da plateia.

O concerto terminou com “Rockin’ in the Free World” e, a avaliar pela ovação final, é isso mesmo que o público pretende. Que Eddie Vedder continue a partilhar a sua música pelo mundo e quando decidir regressar, terá sempre aqui uma multidão ansiosa para o voltar a ouvir. Como alguém do público disse, alto e bom som durante o concerto, “Welcome Home”.

Galeria

Etiquetas

Publicidade

Agenda

19Set

Chris de Burgh

Lisboa

29Set

Yann Tiersen

Lisboa

30Set

Yann Tiersen

Porto

30Set

Michael Bublé

Lisboa

01Out

Michael Bublé

Lisboa

01Out

Nick Murphy

Lisboa

02Out

Nick Murphy

Porto

Publicidade

Artigos semelhantes

  • [CAPA-EXISTE] [/CAPA-EXISTE]
    [SECCAO-EXISTE]

    [SECCAO-NOME-SINGULAR]

    [/SECCAO-EXISTE]

    [NOME]

    [LISTA-INTERVENIENTES] [LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] por [/LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] [LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES], [/LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES] [LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [INTERVENIENTE-NOME] [/LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [/LISTA-INTERVENIENTES]