/ David Carreira
Sex, 19 Abr às 19:25

David Carreira: "Gosto de criar novas formas de ver a música"

David Carreira é um dos artistas com mais sucesso da sua geração. O seu percurso artístico não foi sempre no mundo da música, tendo já passado pelo pequeno ecrã e pelos campos de futebol. Contudo foi nessa área que vingou. Detentor de um MTV Music Award, na categoria de "Best Portuguese Act", David Carreira lançou, no final de 2018, o seu mais recente álbum: “7”.

Como forma de celebrar o sucesso que o trabalho discográfico tem vindo a ter, o cantor anunciou um concerto a 360 graus no Altice Arena, a 30 de novembro. A Backstage esteve à conversa com David Carreira.

Backstage: Lançaste o teu mais recente álbum (“7”) no final do ano passado e o sucesso foi imediato. Tendo em conta que as redes sociais são, cada vez mais, uma constante na tua carreira, sentiste alguma diferença no retorno dos fãs relativamente a outros álbuns que já lançaste?

David Carreira: Cada vez mais a música passa pelas plataformas digitais, pelo Spotify, Apple Music, YouTube, entre outros. É verdade que tenho ainda algum público que compra os álbuns físicos, mas acaba por ser mais como recordação – se formos ver, os carros e os computadores que são vendidos hoje em dia já não têm este suporte sequer. O público ouve no digital, e por isso muita da estratégia deste álbum passou também por aí, apresentando conteúdos nestas várias plataformas onde efetivamente o público concentra a sua atenção.

B: E o desafio que lançaste aos teus fãs de te contactarem no WhatsApp? Como foi a experiência?

DC: Foi uma experiência ótima, já que me permitiu ter contacto direto com os fãs. Confesso que não olhava inicialmente para esta plataforma com isso em mente, mas decidi experimentar e os resultados foram ótimos. Nos primeiros dias recebi muitas mensagens mesmo, e claro que se tornou difícil dar uma resposta a todos os que me contactaram, mas esforcei-me ao máximo para que isso acontecesse. A verdade é que ainda hoje me contactam por aí e vou ainda respondendo, precisamente porque gosto deste contacto com os meus fãs, já que é para eles que trabalho diariamente.

B: No tema de abertura do álbum, “Olha Para Nós”, referes que o disco se divide num lado feliz e num lado triste. Quais foram as inspirações para o criar?

DC: Sim, o álbum divide-se em duas partes, e as inspirações para isso vêm da minha vida pessoal, das coisas que eu vejo e que me acontecem. É com isso que eu me inspiro para as letras das minhas músicas, tanto aquelas que saem com o meu nome como as que faço para outros projetos. A vida é feita de fases, e o ano de gravação deste álbum não foi exceção.

B: “O Problema É Que Ela É Linda” explodiu, no verão passado, e contagiaste o país com a tua coreografia. Sentiste que, de alguma forma, esse foi um single que “bateu” mais que outros lançados anteriormente, por exemplo, “Primeira Dama” ou o “Esta Noite”?

DC: Eram tempos diferentes, diria. É difícil a comparação do lançamento de singles de álbuns diferentes. Diria que estão os dois no mesmo patamar, principalmente “O Problema É Que Ela É Linda” e o “Primeira Dama”. O “Esta Noite” foi muito o meu início e eu já não tenho propriamente noção de como a coisa “bateu” naquela altura. Era o meu primeiro single e era uma realidade diferente, e não sei dizer qual “bateu” mais.

B: A participação de artistas brasileiros em “7” é notória, porquê o Brasil?

DC: Sim, neste álbum contei com a participação de três artistas brasileiros, a MC Rita, Kell Smith e MC Zuka. Foi algo que me foi natural, acabou por acontecer, também por gosto pessoal. Um dos objetivos deste álbum é chegar o mais longe possível, e por isso tenta também chegar também ao público brasileiro, com duetos com artistas reconhecidos no Brasil, com um público que não me conhecia.

B: Consideras colaborar com artistas nacionais e internacionais como uma mais valia para o teu trabalho?

DC: Claro que sim. É sobretudo algo que eu gosto de fazer. Gosto de partilhar estúdio e músicas com artistas nacionais e internacionais, já que assim tenho outras opiniões e energias comigo em estúdio. Quanto a serem nacionais ou internacionais, depende das músicas. Uma pessoa que entre comigo numa música tem de trazer algo de novo. Gosto de criar novas formas de ver a música, abordagens diferentes, e para isso a partilha com o artista convidado tem de ser completa, temos ambos de dar o nosso máximo. Só assim me faz sentido.

B: Sentes-te mais à vontade nas baladas ou nos temas que têm uma componente mais eletrónica?

DC: Gosto de ambos os registos. E às vezes até me apetecia fazer um projeto só de baladas, e outro com coisas mais mexidas, mais eletrónicas. A minha carreira está um pouco dividida entre estas duas ondas, e algumas das músicas ficam um bocado no meio, como é o caso do “Então Vai”, que é uma música mais calma, mais em tom de balada, mas com um ritmo mais RnB. Depende muito dos momentos em que faço a música e o que me faz sentido na altura. Há alturas em que as baladas “batem” mais, e outros em que as mexidas batem mais. Sinto que as baladas duram mais no tempo e as pessoas lembram-se mais.

B: Qual é a tua música preferida, da tua autoria, no momento? E aquela que já não consegues ouvir, mas que é inevitável cantar?

DC: Das músicas favoritas, estou indeciso entre o “In Love”, do álbum "3", e o “Cuido de Você”, do álbum "7". O “In Love” foi, sem dúvida, a música que mais me deu força para fazer uma transição na minha carreira. Já o “Cuido de Você” é uma música muito forte, que está a correr muito bem, e que me divirto imenso a cantar. A que já não consigo cantar porque já cantei mesmo muito e já não me revejo tanto da mesma forma, é o “Esta Noite”, o meu primeiro single, que acabo sempre por cantar porque as pessoas vibram muito com ela nos concertos.

B: Sobre o concerto no Altice Arena, como surgiu a ideia de fazer um concerto a 360 graus?

DC: Surgiu após ter feito um concerto 360 no Campo Pequeno. Correu muito bem, e a verdade é que depois de encher a sala do Campo Pequeno (com 9000 pessoas, uma capacidade acima do normal para a sala), o passo seguinte seria encher o Altice Arena. Fui adiando até sentir que era o momento certo. Só agora em 2019, com o lançamento deste álbum e dos singles, sinto que é a altura perfeita para dar este passo.

B: Já revelaste três convidados que vão subir contigo ao palco da Altice Arena. Há mais algum aspeto ou convidado que nos possas contar?

DC: Neste momento tenho já seis convidados confirmados. Vou contar com o DJ Telio, o MC Zuka, Nuno Ribeiro, a minha irmã Sara, a Kell Smith e Supa Squad. Talvez confirme mais nomes até à data!

B: Já atuaste no Campo Pequeno e, agora, segue-se o Altice Arena, qual é a sensação de ir atuar na maior sala de concertos do país?

DC: Ainda não pensei muito nisso, sinceramente. Já pensei muito no concerto que vou fazer lá, na parte de tornar a coisa memorável para as pessoas que me seguem e para quem estará no concerto nesse dia, mas ainda não tive propriamente tempo para pensar que vou cantar no Altice Arena. É, sem dúvida, um grande desafio e uma sensação incrível pisar um palco tão grande. Acho que é o objetivo de qualquer cantor português.

B: Para quando uma digressão pelo país?

DC: A "7 Tour" já começou há duas semanas no Luxemburgo. Já estivemos na Suíça, e vamos ter agora vários concertos no final do abril e em maio, sobretudo Queimas das Fitas. Depois tenho muitos concertos no Verão, como Mirandela (31/04), a Queima do Porto (05/05), a Queima de Lisboa (17/05), em Elvas (18/05). Vou andar um pouco por todo o lado no Verão.

B: No início da tua carreira, sentiste a pressão do teu nome?

DC: Acho que não senti, sobretudo porque não pensava muito nisso, principalmente no inicio da carreira... Fiz a minha música como tinha de fazer, e acho que esta é a melhor forma de ver a musica, esquecer um pouco o mundo de negócio que a rodeia, e ver mais o lado de fazeres algo que gostas. Quando ainda não cantava, lembro-me de pensar na forma como eu olhava para os artistas, e para as coisas incríveis que eles faziam e em como inovam constantemente. É nisso que tento focar-me: fazer coisas diferentes, experimentar outras sonoridades, fazer duetos inesperados com artistas completamente diferentes de mim, apostar em projetos com conceitos novos. Acho que é isso que me ajuda a deixar de lado pressões: apostar em surpreender os meus fãs e fazer sempre coisas diferentes.

B: Consideras que, com o lançamento deste sétimo álbum e com o anúncio do concerto no Altice Arena estás no ponto mais alto da tua carreira?

DC: Acho que não, ainda estou num ponto inicial. Sei de algumas coisas que já estão pré-programadas para 2019 e acho que o ponto mais alto será em 2020. De qualquer forma, acho que há sempre hipótese de ir mais longe. E penso que o álbum "7" e o concerto do Altice Arena podem ajudar-me a crescer ainda mais. Se o concerto correr bem e as pessoas gostarem do resultado final, posso sonhar com coisas maiores a fazer em seguida. Há sempre lugar para inovar e surpreender as pessoas.

B: Qual o próximo passo?

DC: O próximo passo é chegar rapidamente aos 10 milhões de visualizações no “Cuido de Você”, que tem estado a subir muito, bem como o “Gosto de Ti”. E fazer uma ótima digressão, completamente nova. Temos apostado muito ao nível de estruturas de videohall, que combinarão com as coreografias em palco na perfeição, uma coisa inovadora no panorama português. E claro, encher o Altice Arena!

Etiquetas

Publicidade

Agenda

19Set

Chris de Burgh

Lisboa

29Set

Yann Tiersen

Lisboa

30Set

Michael Bublé

Lisboa

30Set

Yann Tiersen

Porto

01Out

Michael Bublé

Lisboa

01Out

Nick Murphy

Lisboa

02Out

Nick Murphy

Porto

Publicidade

Artigos semelhantes

  • [CAPA-EXISTE] [/CAPA-EXISTE]
    [SECCAO-EXISTE]

    [SECCAO-NOME-SINGULAR]

    [/SECCAO-EXISTE]

    [NOME]

    [LISTA-INTERVENIENTES] [LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] por [/LISTA-INTERVENIENTES-PRIMEIRO] [LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES], [/LISTA-INTERVENIENTES-SEGUINTES] [LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [INTERVENIENTE-NOME] [/LISTA-INTERVENIENTES-TEMPLATE] [/LISTA-INTERVENIENTES]