NOS Alive’17 ao rubro com Foo Fighters, The Kills e Parov Stelar

Depois de um primeiro dia no Passeio Marítimo de Algés “a rebentar pelas costuras”, já era de esperar que no dia 07 de julho também abanasse com a vinda dos Foo Fighters, The Kills, The Cult, Parov Stelar e muitos outros.

O dia começava com os palcos secundários a ficarem ativos pelas 17:00. No palco principal apresentou-se Tiago Bettencourt às 18:00 e conseguiu uma multidão de vozes a cantar-lhe “Depois do dia entardecer ou quando a noite te agarrar” (“Se me deixasses ser”).

Com a tarde a cair, Savages subiram ao palco Heineken poucos minutos antes das 19:00, quando os Courteeners tomavam o palco NOS. O vocalista Liam Fray vestia uma camisola onde se lia “Lisbon”.

Liam Fray foi mais um artista a demonstrar a sua adoração especial por Portugal, um ponto comum nas entrevistas que a Backstage recolheu ao longo do dia com outros artistas: Billy Duffy dos The Cult, Alison Mosshart dos The Kills e Marcus Fuereder / Parov Stelar.

O segundo dia foi também uma oportunidade para ver The Cult, banda de Rock com mais de 30 anos, no palco principal. O guitarrista Billy Duffy, que esteve à conversa com a Backstage disse que “genuinamente”, era um prazer voltar a Portugal.

Às 22:05 entravam The Kills em cena para dominarem todas as atenções: a cantora Alison Mosshart conquistou o público com movimentos estupendos e uma interpretação carismática de todos os temas ao lado de Jamie Hince, músico excecional também.

Excecional foi também a surpresa que Foo Fighters trouxeram ao NOS Alive. “Hey Ho, let’s go”, Dave Grohl avisou que queria compensar o tempo que esteve ausente de Portugal. A banda interpretou músicas mais antigas, cantadas a plenos pulmões pela multidão e outras canções ainda desconhecidas, como a "La Dee Da", em que convidou de novo a Alison Mosshart para o palco.

Foo Fightters não se contentaram com uma hora nem duas junto do público do NOS Alive. Eram 02:30 quando os milhares de festivaleiros se começaram  a dirigir em massa para as saídas.

De um outro lado, no palco Heineken, houve quem apostasse no swing electrizante de Parov Stelar para dançar até às 02:45.

Quem se dirigisse para uma das muitas saídas ainda era acompanhado pela música de Batida e DJ Carlos Cardoso no palco Clubbing.

Fotografias de Foo Fighters: Hugo Macedo / Everything Is New