MEO Marés Vivas'17 despede-se da praia do Cabedelo com Sting

O terceiro e último dia do MEO Marés Vivas marcou o fim desta edição do festival. Não poderia ter terminado de melhor forma, tendo em conta que Sting era cabeça de cartaz. No palco principal atuaram também Joe Sumner, Miguel Araújo e Seu Jorge.

Neste último dia os festivaleiros puderam contar com Caelum e Átoa, no palco Santa Casa, a fazer o warm up para aquela que seria uma noite memorável na praia do Cabedelo.

Joe Sumner – filho mais velho de Sting – abriu o palco MEO e, numa curta atuação (30 minutos), encantou o público com a sua simpatia.

Quem se seguiu foi Miguel Araújo, acompanhado de vários músicos. Não faltaram os seus grandes êxitos “Dona Laura”, “Anda comigo ver os aviões” e “Os maridos das outras”, ao mesmo tempo que se dançava e cantava entre os presentes.

O cantor português aproveitou a ocasião para mostrar ao público o seu mais recente vídeo (videoclip da música “Axl Rose”) que consta do seu mais recente álbum – Giesta. Despediu-se partilhando com os presentes que dizer “E a seguir: Sting!” é um sonho de adolescência. Acabou por cumpri-lo esta noite.

Quando chegou a vez de Gordon Matthew Thomas Sumner – mais conhecido por Sting – subir ao palco já não haviam espaços vazios no recinto que circundava o mesmo. O ex-vocalista da banda “The Police” veio acompanhado de sete músicos (um deles o seu filho Joe Sumner, nos coros) e arrepiou os milhares que o estavam a assistir.

Êxitos como “Shape Of My Heart”, “Every Breath You Take”, “Englishman In New York”, “Roxanne”, “Every Little Thing She Does Is Magic” e “If I Ever Lose My Faith In You” deliciaram os ouvidos de todos os presentes. A resposta do público durante todo o concerto foi notória e o músico inglês estava constantemente a ser aplaudido.

O último a pisar o palco principal foi Seu Jorge e fez jus a esta missão de terminar os concertos do festival, metendo todos os fãs a sambar. Como não podia deixar de ser e paralelamente ao que acontece nos outros concertos do artista, não faltou a música “É isso aí”, que interpreta ao lado de Ana Carolina.

E assim terminou mais uma edição do festival MEO Marés Vivas, na praia do Cabedelo. Aliás, sítio em que não será realizada a edição de 2018.

Foi em conferência de imprensa que foi adiantada a data do festival para o próximo ano e, inevitavelmente, falado do novo local. Quanto a datas, Jorge Silva, da PEV Entertainment (promotora do evento), adiantou aos jornalistas: “Para o ano será no fim-de-semana de 20 de julho. Avançamos um fim-de-semana ao que é habitual, mas ainda não sabemos se será quinta-feira, sexta-feira e sábado ou sexta-feira, sábado e domingo.”

Questionado sobre o novo local, o presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, adiantou, sem muitos pormenores, que “será um sítio tão idílico como este [praia do Cabedelo]”. Explicou ainda o porquê desta mudança: “O festival tem de crescer e aqui já não tem margem. Além disso, estes terrenos são particulares, tendo urbanização aprovada desde 2008, por isso, é preciso pensar em novas soluções.”

Já Miguel Guerra, representante da MEO, afirma estar muito contente com esta parceria e que, por ser uma “aposta ganha”, foi renovado o contrato com a PEV Entertainment por mais três anos.