Espetáculo angariou mais de cem mil euros para vítimas dos incêndios

Organizado por André Sardet, o concerto de solidariedade no Convento São Francisco em Coimbra esgotou e deu, no total, mais de cem mil euros. O concerto foi realizado por artistas consagrados da música portuguesa que subiram a palco com os seus clássicos durante quase duas horas.

Depois de ter interpretado “Quando eu te falei em amor”, André Sardet sublinhou o facto de não haver “um cêntimo gasto neste espetáculo”, pelo que os lucros revertem todos a favor dos vitimados, através da Caritas Coimbra.

“Nós vamos apoiar quem trabalhou uma vida e tudo perdeu no dia 15”, disse o cantor, acrescentando: “Queremos que as pessoas voltem ao seu quotidiano o mais depressa possível”.

O espetáculo foi conduzido pelos apresentadores Jorge Gabriel e José Carlos Malato que desde logo lembraram os objetivos da angariação de fundos.

O concerto começou com o Coro dos Antigos Orfeonistas da UC, com o tema “É preciso acreditar”, o mote de todo o concerto.

O primeiro artista em nome próprio a subir ao palco, Rui Veloso, interpretou “Porto Sentido”, para dar depois lugar ao Presidente da Caritas Diocesana de Coimbra. O Padre Luís Costa foi questionado em palco acerca das receitas obtidas na venda de bilhetes e nos donativos recolhidos. A Caritas trabalha em estreita colaboração com as Câmaras Municipais para a distribuição do dinheiro, apoiando principalmente os habitantes que dependiam da subsistência das suas terras. Os passos seguidos são apresentados no site e redes sociais da Caritas.

O Presidente da instituição de solidariedade responsável pelo dinheiro agradeceu ”a presença de Portugal inteiro”.

João Gil e o filho, Rafael Gil, cantaram “Loucos de Lisboa”. O músico de 61 anos evocou a “capacidade para recuperar” dos portugueses. Seguiu-se Tatanka, com o tema “Alfaiate” e António Zambujo com dois momentos, sendo acompanhado por João Gil para cantar “Zorro”. Zambujo quis destacar que Portugal estende-se até à fronteira com Espanha e não é constituído apenas pelos grandes centros urbanos.

José Cid invocou ao “São Salvador do Mundo”. Gonçalo Tavares também subiu a palco antes de três membros dos Xutos & Pontapés, para tocarem “Homem do Leme”. João Só, João Pedro Pais foram dos últimos artistas em palco.

Fado À Capela encerraram o espetáculo, com “Canção Pagã”.

Várias vezes foram aplaudidas as presenças especiais de doze autarquias, das mais afetadas pelos fogos: Arganil, Cantanhede, Coimbra, Oliveira do Hospital, Lousã, Nelas, Oliveira de Frades, Pampilhosa da Serra, Penacova, Tábua, Tondela e Vouzela. O Presidente da República esteve na plateia durante todo o concerto, que se prolongou das 22:00 até perto da meia-noite, na noite de 31 de outubro.