Reportagem

Vodafone Mexefest’17: Sabor a Lisboa cosmopolita no primeiro dia

No primeiro dia do festival Vodafone Mexefest provou-se mais uma vez como Lisboa é uma cidade cosmopolita. Os milhares de bilhetes esgotaram dias antes, para ver as mais nobres salas da capital receberem artistas em ascensão vindos vários países.

A noite de 24 de novembro começava com Funkamente! no Terraço do Capitólio para o público que apreciava fazer conversa e tomar bebidas, socializar antes se dedicar às bandas que se seguiam.

IAMDDB no Capitólio, alternando entre português e inglês, afirmava que não perdia este festival em Lisboa por nada. E que bem que fez, recebendo o apoio do público que se divertiu à brava com a performance da artista.

No Coliseu dos Recreios a noite começou a aquecer com Washed Out e o ambiente de "bar" do Capitólio era feito por Oddisee. O rapper, que interpretava com muita expressividade, teve a sua oportunidade de se dar a conhecer ao público português neste festival, já que admitiu ser a primeira vez em Lisboa e ter a vontade de “dar uma boa primeira impressão”.

O público circulava pelas várias artérias da Avenida da Liberdade, onde, no Cinema de São Jorge, a portuguesa Surma estava descalça para demonstrar o seu talento musical num cenário mais experimental, tendo tocado teclas, guitarra, percussão, cantado com dois microfones e sempre com a ajuda do sintetizador. Os baixos graves fundiam-se com a voz aguda da artista, que apresentou canções do seu álbum de estreia, nascidas da “brincadeira”, como disse a própria.

A Rua das Portas de Santo Antão, a do Coliseu, estava muito circulada, enquanto a Casa do Alentejo ficava pequena para a fila que se formava. Os Songhoy Blues deram uma hora de espetáculo nesse espaço tão ilustrativo da influência árabe na história de Portugal. E como Portugal sabe bem pela sua história, os ritmos rápidos vindos do continente africano, incitavam à dança o público de todas as idades.

A Estação Ferroviária do Rossio recebeu os concertos de Liniker e Hinds na primeira noite do Mexefest.

Às 22:40 três grandes concertos estavam a acontecer em três espaços diferentes: Destroyer no Coliseu, enquanto para o público que valoriza a música portuguesa, Valete deu cartas no Cine-Teatro Capitólio e Manel Cruz tocou no Teatro Tivoli. E no Cinema São Jorge, com início quase à meia-noite, o concerto de Samuel Úria foi mais um belo exemplo do inesgotável talento musical do país, com banda, coro e as convidadas Gisela João e Ana Bacalhau.

Como última banda do cartaz de 24 de novembro, Orelha Negra trouxe os seus clássicos a um Coliseu cheio, e cheio de energia. Ainda no Sótão do Teatro Tivoli, a última festa da noite era de La Flama Blanca.

Publicidade

Próximos eventos

1920Jan

Slow J

Porto

2021Jan

Soy Luna

Lisboa

24Jan

Myles Sanko

Porto

25Jan

Carla Bruni

Lisboa

25Jan

Myles Sanko

Lisboa

27Jan

Carla Bruni

Porto

31Jan

Steven Wilson

Lisboa

Publicidade
Aceito Utilizamos cookies para assegurar que lhe fornecemos a melhor experiência na nossa página web.
  • por ,
  • por ,
  • por ,